Elas por elas

Posts

Na semana que passou reencontrei minha turma de escola. Por um aplicativo desses da vida, num passe de mágica, estávamos todas ali outra vez.

Uma lembrava de outra e mais outra e o grupo crescia em número e recordações. E seguiram-se fotos, contaram-se casos, recordamos as que se foram, lembramos a marca registrada de cada uma, que por incrível que pareça, ainda estava lá: a que manda demais, a que é puritana demais, a CDF, a colona, a que chora de rir, a que rir de tanto chorar e por aí vai.

Data e hora marcada, o encontro físico aconteceu! Em meio a taças de vinho, pastéis e canecas de cerveja, as risadas saiam fácil e parecia que tínhamos acabado de sair de farda do colégio para matar aula.

Ainda que mais maduras, parecíamos crianças jogando queimada com nossas lembranças: memória para lá e para cá.

Em pouco mais de 3h atualizamos 20 anos. Namoros que deram certo, casamentos que deram em divórcio, viagens, profissão, silicone, amores, filhos e até nossos pais entraram na conversa. Os assuntos pareciam brotar como sementes em dia chuva.

As feiras de ciências, o cursinho, os professores, os trabalhos de grupo, as freiras que pelo amor ou pela dor nos conquistaram o coração. Até sexo anal entrou no samba: quem deu, quem não deu e quem dará - oremos!

Os garçons passavam ao lado da mesa com o rabicho do olho mais que esticado como se os olhos pudessem ouvir. Nunca viram tantas mulheres tão entusiasmadas com assuntos dos mais triviais. A amizade faz isso: transforma qualquer arroz com ovo em bacalhau, qualquer refeição em ceia de natal.

O encontro terminou já com outro agendado. A saudade é grande e a vontade de fazer o tempo dar meia volta também.

A saudade - por legítima defesa - se mata. O tempo não. Ele não volta. Mas se foi bem vivido, como soa ser o caso dessas meninas-mulheres tão especiais, ele deixa registro lá no fundo, bem lá no fundo, onde nem mesmo 20 anos passados podem chegar.

2 comentários em “Elas por elas”

  1. Hadbah - 18 de agosto de 2015 10:07

    Linda narrativa de nosso reencontro e nossas amizades… Valeu Sálvia… Obrigada por escrever nossa história.

    Responder
    1. salvia - 18 de agosto de 2015 16:13

      Uma delícia reviver, pela escrita, momentos de felicidade! Obgd

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *