Carta à Minha Filha

Posts

FilhaQuantas vezes me surpreendi, tentando entender o porquê de tua vinda. Afinal, se era para ver teu pai partir em tão tenra idade, se era para provar o amargo da vida sem nem mesmo entendê-la ainda, por que vieste? Melhor que tivesses ficado no céu, lugar tão mais pleno e cheio de paz. Desígnios de Deus.

Quis Ele que tu, ao menos, encontrasses teu pai, ainda que de soslaio, tu chegando e ele partindo. Por pouco não se desencontram!

Quis Ele esse breve encontro, ainda que teu pai não pudesse te carregar no colo, não pudesse te fazer tranças, levar-te à escola ou saber de teus namorados, ainda que não pudesse ser para ti o pai que ele sempre foi. Tão esperada que tu foste!

De teu pai, filha, só terás notícia, o que me entristece todos os dias. Perder algo que não tem valor não é perda, é ganho. Mas perder algo de precioso é perda irreparável! Eu bem sei o que perdeste e esse pesar me acompanhará ainda por muito tempo.

Então sigo perguntando: por que vieste, meu amor? Que lição quis Deus que eu aprendesse?

Vieste colorir o meu mundo que ficou preto e branco. Vieste trazendo purpurina para fazer brilhar o que em mim ficou opaco. Plumas e paetês para me lembrar de que sempre haverá uma festa. Vieste para me ensinar que nem só de perdas e abandonos é feita a vida, pois em meio a tudo, eu te ganhei. Nem imaginas o que de triste te aconteceu, pois tua inocência te protege e só permite o sorriso.

Caminhas pela casa como se nada tivesse acontecido, sem conseguir ainda dimensionar o tamanho de tua perda. Segues faceira, leve e feliz, ensinando-me todos os dias como devo eu também seguir.

Espero conseguir ser para ti tudo que precisas que eu seja!

4 comentários em “Carta à Minha Filha”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *